quarta-feira, 6 de junho de 2018

Locação Acessível Residencial é alternativa para a falta de moradia



O Secovi-SP desenvolveu o Programa LAR, destinado prioritariamente a famílias com renda entre 2 e 6 salários mínimos, que não conseguem contratar financiamento para a casa própria

No Brasil, em 2015, segundo a Fundação João Pinheiro, cerca de 84% do déficit habitacional de 6,3 milhões de unidades se concentrava na faixa de renda familiar de até 6 salários mínimos.
Na cidade de São Paulo, o déficit é de aproximadamente 470 mil unidades, levando-se em conta os domicílios precários (moradias improvisadas), a coabitação familiar (mais de uma família dividindo o mesmo espaço), o ônus excessivo com aluguel urbano (valor maior que 30% da renda das famílias) e o adensamento excessivo de domicílios alugados.
Além disso, há mais de 30 mil famílias que recebem bolsa aluguel só na capital paulista, o que significa algo em torno de R$ 180 milhões por ano aos cofres da prefeitura. Esse montante poderia ser revertido à iniciativa privada como estímulo ao investimento em locação social, resultando em organização mais eficaz, gestão profissional e economia de escala, dentre outros benefícios.
Em razão do alto custo da moradia, famílias menos favorecidas se alojam em favelas ou prédios invadidos, pagando, em média, R$ 500 ao mês por essas condições subumanas e arriscadas.
Debruçado na busca de soluções, o Secovi-SP desenvolveu o LAR – Locação Acessível Residencial, alternativa prevista na Política Nacional de Habitação, destinada prioritariamente a famílias com renda entre 2 e 6 salários mínimos, que não conseguem contratar financiamento para a casa própria (idosos, famílias e jovens sem poupança, estudantes vivendo longe de suas famílias ou imigrantes).
As unidades do Programa LAR são produzidas e geridas pela iniciativa privada por meio de linhas de financiamentos específicas, incentivos fiscais e urbanísticos e aperfeiçoamento na legislação locatícia, disponibilizados nas três esferas de governo.
Neste modelo, o município concede benefícios urbanísticos, como coeficiente de aproveitamento adicional, sem outorga onerosa, e previsão de transferência do direito de construir para o empreendedor que desejar construir unidades destinadas à locação acessível residencial.
O governo federal, por sua vez, cria um Programa Nacional, que define as diretrizes gerais e, fundamentalmente, disponibiliza fontes de financiamento nacionais (BNDES, FGTS, por exemplo) ou internacionais, para os custos de construção de unidades.
Em âmbito fiscal, aperfeiçoa-se a legislação de modo a prever a concessão de um regime especial de tributação do Imposto de Renda para a construção de empreendimentos destinados ao Programa LAR, medida que não resultará em oneração aos cofres públicos, já que se trata de estímulo à arrecadação de novos capitais.  
Como contrapartida, o empreendedor que aderir ao Programa LAR fica obrigado a oferecer unidades do empreendimento à locação residencial durante um período pré-estabelecido, com valores de aluguel de acordo com as regras do programa, que sejam suficientes para cobrir os custos de operação e o pagamento mensal dos juros da construção e cujo pagamento esteja garantido por fundo próprio.
Ainda, o governo federal e o Congresso Nacional aprimoram a Lei de Inquilinato (Lei 8.245/91) para que os empresários tenham a segurança jurídica necessária, que garanta a pronta e rápida desocupação dos imóveis ao final do período de locação, que poderá ser inferior a 30 meses, ou em caso de inadimplência ou de descumprimento de regras de conduta.
Os principais benefícios do Programa LAR, além de objetivamente minorar o déficit habitacional, consistem em:
  • Ampliar a oferta de moradia nos grandes centros urbanos, com geração de emprego e renda;
  • Acompanhar a tendência mundial de flexibilidade de moradia, em especial para estudantes, idosos, servidores públicos;
  • Estimular o eixo do desenvolvimento urbano para locais com infraestrutura instalada;
  • Propiciar a revitalização dos centros urbanos, trazendo a comunidade para locais hoje sub-habitados;
  • Retirar do poder público a gestão da moradia, ficando a cargo da iniciativa privada promover o atendimento social, com menos custos e burocracia.

Autor: Assessoria de Comunicação - Secovi-SP


quarta-feira, 23 de maio de 2018


6 razões para Instalar uma Usina Fotovoltaica o quanto antes



Você gostaria de economizar na sua conta de energia e ainda ajudar o meio ambiente? Tenho certeza que sim, por isso você está no lugar certo. Aqui você aprenderá como e porque a energia solar fotovoltaica irá lhe trazer vários benefícios.

1. Redução na Conta de Energia

O primeiro motivo é o mais atraente, afinal em um país com tantas tarifas e contas de energia com valores altíssimos, quem não gostaria de economizar na conta de energia, não é mesmo?!
Com a energia solar fotovoltaica você pode produzir sua própria energia e obter ganhos. Podendo reduzir a conta em até 90%.
Assim que a usina for instalada, você já começa a economizar dinheiro. O valor investido é recuperado em média de 4 a 6 anos e, daí em diante é só lucro!

2. Rentabilidade Atrativa

Ao optar pelo investimento na instalação da usina e de placas solares fotovoltaicas, em 1 ano você possui uma rentabilidade de aproximadamente 20%, o que supera muitos outros investimentos financeiros como o Tesouro Direto.

3. Valorização do Imóvel

Outro benefício da utilização de energia solar é a valorização do imóvel. O fato de reduzir 90% da conta de energia agrega valor ao seu patrimônio e torna-o possuidor de um diferencial atrativo tanto para o aluguel quanto para a venda.

4. Simplicidade de instalação

A energia solar fotovoltaica não demanda grandes obras para instalação, nem causa transtornos ambientais. Sua instalação é simples e pode ser feita em um estacionamento, em uma propriedade rural e até mesmo em um telhado, ocupando menos espaço de maneira prática.
Outro ponto importante é que não há nenhuma necessidade de alteração na instalação elétrica preexistente.

5. Sustentabilidade

Um dos fatores mais característicos e promissores da energia solar é o fato de ser totalmente renovável, ou seja, a energia é gerada sem causar grandes impactos ambientais.

6. Segurança

A segurança na energia solar gira em torno do preço da conta de energia. Normalmente, quando se utiliza a energia das distribuidoras estatais o valor da conta vem altíssimo devido ao valor das tarifas que na maioria das vezes são irregulares e podem mudar de uma hora para outra.
Já com a energia fotovoltaica você tem controle do quanto consome e quanto vai pagar todos os meses, pois fica isento das tarifas imprevisíveis que interferem no preço da conta.
Agora que você já conhece todos os benefícios que uma instalação de uma usina de energia fotovoltaica pode lhe trazer, chegou a hora de ver na prática o quanto essa mudança, na forma de gerar energia, irá influenciar sua vida e, sobretudo no seu bolso.
Para isso, convidamos você a preencher o Simulador de consumo de energia solar para saber o quanto você vai economizar instalando uma usina fotovoltaica baseado em seu consumo no sistema convencional.




segunda-feira, 7 de maio de 2018

Mensagem em aplicativo de celular serve como prova de rescisão de contrato de corretagem



Um corretor de imóveis ajuizou ação contra um casal pedindo R$ 21 mil de comissão de corretagem pela venda de um imóvel, mais R$ 10 mil de indenização por danos morais. Segundo os autos, o autor foi procurado pelos réus para realizar a venda de um imóvel situado no Sudoeste, assinando contrato de exclusividade. O corretor revelou que seria pago o percentual de 5% sobre o efetivo preço da transação, e que o contrato teria o prazo de 60 dias, sendo automaticamente renovado caso não houvesse desistência formal com 30 dias de antecedência. Ainda, a comissão de corretagem seria igualmente devida se os réus realizassem venda do imóvel na vigência do contrato.
A controvérsia dos autos envolveu verificar a possibilidade de estipulação de cláusula de renovação automática, existência da desistência do contrato, necessidade de pagamento pelos serviços do autor e a ocorrência de danos morais. “O contrato é um negócio jurídico constituído através do acordo de vontades das partes envolvidas, as quais estabelecem os parâmetros pelos quais aquele vínculo será pautado. Tratando-se de relação jurídica entre particulares, são permitidas quaisquer estipulações que, não sejam contrárias à lei, à ordem pública ou aos bons costumes”, lembrou a juíza que analisou o caso.
Quanto à cláusula de renovação automática do contrato, a magistrada entendeu que não era abusiva, pois não impunha vantagens apenas para uma das partes, o corretor de imóveis, já que este também teria o dever de diligência em anunciar o imóvel e apresentar ofertas aos proprietários. Em relação à desistência do contrato, foi observado que as partes se comunicavam por e-mail e, com mais frequência, por aplicativo de mensagens de celular – quando, por essa via, ocorreu a manifestação de desinteresse dos réus no prosseguimento do contrato.
Diante do contexto dos autos e da evolução tecnológica das comunicações, a juíza considerou como possível e válida a manifestação pelo aplicativo de mensagens, no intuito de rescindir o contrato entabulado entre as partes. “Ademais, o réu deixou bem explícita a sua vontade, junto ao sócio do autor, com quem mantinha conversas, inclusive motivando a rescisão em face da ausência de contatos: ‘Paulo, em função da falta de contato há 1 semana favor informar ao Raphael que não tenho mais interesse na parceria, obrigado’ “.
Assim, o 4º Juizado Especial Cível de Brasília considerou o contrato rescindido em agosto de 2015, tendo por base a data da mensagem. A venda do imóvel, conforme informado pelos réus, ocorreu por intermédio de outro corretor, em dezembro daquele ano – ocasião em que o autor voltou a entrar em contato, desde a mensagem recebida pelo sócio. “Desse modo, entendo que não é devido qualquer pagamento ao autor a título de danos materiais, em face de suposta corretagem prestada, motivo por que rejeito o pedido”, confirmou a magistrada, negando também o pedido de indenização por danos morais.

sexta-feira, 27 de abril de 2018

Compra do imóvel: 4 dicas essenciais




A compra do imóvel é um momento especial que merece comemoração. Ao mesmo tempo, para que o negócio seja um sucesso e sem possibilidade de arrependimentos futuros, o interessado precisa ter cautela e muita informação. Por isso, antes de fechar a compra, a recomendação é analisar com detalhes o local pretendido, além de conferir documentos tanto do proprietário quanto do bem em questão. Alguns deles são obrigatórios, e outros, apesar de opcionais, são importantes para detectar possíveis problemas adiante. Para ajudar nesta importante decisão, confira 4 dicas do gerente geral de locação e compra & venda da Apsa, Giovani Oliveira:
1. Finanças e valores
Para Oliveira, o fundamental no processo é verificar as condições financeiras do comprador e as que são oferecidas por quem vende. “Um financiamento compromete o orçamento, então, deve-se levar em consideração a capacidade de assumir o investimento frente às outras demandas da família, atuais e futuras”, recomenda. Para se certificar de que não está perdendo dinheiro, vale comparar preços de imóveis semelhantes da mesma região e os valores médios do metro quadrado.
2. Localização
A vizinhança também deve ser observada. Se o entorno do imóvel provocar situações incômodas, o comprador pode se arrepender depois. Verifique a intensidade do trânsito, se há pontos finais de linhas de ônibus, escolas ou equipamentos esportivos.
3. Conservação e infraestrutura
Outra questão diz respeito a possíveis problemas de infraestrutura. Quedas de energia são constantes? O fornecimento de água é estável? A rede de captação de esgoto dá vazão à demanda? São três questões ímpares para o bem estar de uma família e que devem ser cruciais para a tomada de decisão. Já no próprio imóvel, o executivo da Apsa recomenda visitá-lo várias vezes, em diferentes horários, para ver se agrada a incidência de luz, a corrente de ar, as temperaturas e outros fatores de ambiente.
4. Documentação para compra do imóvel
Superadas as outras avaliações, é hora de partir para a parte burocrática. “Pode ser cansativa, mas alguns papéis asseguram o negócio e podem evitar contratempos no futuro”, Oliveira. Conheça os documentos do vendedor e do imóvel:
  • Matrícula do imóvel/certidão de ônus reais;
  • Certificado negativo de ação cível e criminal do vendedor e de seu cônjuge (Justiça do Trabalho e Justiça Federal);
  • Certidão negativa de IPTU e da Situação Enfitêutica;
  • Certidão vintenária;
  • Certidão negativa de débitos com o condomínio;
  • Certidão negativa de utilidade pública do imóvel;
  • Certidão de interdição e tutela.

sábado, 21 de abril de 2018

Melhor revestimento para apartamento: Silestone o granito do futuro




Chegou a hora de deixar o apê novo a sua cara. E melhor do que qualidade o revestimento para apartamento do tipo Silestone é a melhor opção de decoração elegante e moderna, veja só:

O que é Silestone?

Também conhecida como Quartzo Stone, é um tipo de pedra industrializada feita com 94% de quartzo natural fabricada com alta tecnologia, Sua durabilidade é excepcional e ultrapassa qualquer outro tipo de revestimento para apartamento. Além de ser duro e resistente é a única bancada de quartzo antibacteriana.
O grande diferencial é a possibilidade de utilizar a pedra tanto para revestir o apartamento, quanto para decorar ou criar mobílias como bancadas e mezaninos. A grande variedade de cores que – chega a 90 -, texturas e tipos, também é um diferencial. As variações para o material são distintas entre texturas e tipos.
Além do composto do sílicio são adicionadas particular de vidro e partículas metálicas para deixar a pedra com um visual ainda mais deslumbrante. É assim que o visual ficará como o tipo revestimentos para apartamento Stellar, que verá logo abaixo:

Tipos de revestimento para apartamento

São dois os tipo mais comuns de Silestone como revestimento para apartamento. O Stellar é o destaque com a composição de pequenos pontos brilhantes que são comparadas as estrelas facilmente. Com esses cristais visíveis se tornar um charme ainda maior na decoração, deixando os amibientes mais requintados.
O liso é tradicional. Tem um aparência mais homogênea, no qual a cor em si que é valorizada. Dependendo da utilização pode dar um destaque incrível com apenas um mobíliário ou apenas ser utilizada pelos benefícios do revestimento para apartamento com cores neutras.
Além desses tipos, ainda é possível encontrar opções com veios, que nada mais é um detalhe que remete as veias humanas, – aquele caminho de linhas feito na pedra. E Granulado fino ou grosso, que é a visibilidade dos pontinhos da coloração da Silestone.

Balcão de pia em Silestone Stellar negro. (Foto: Pinterest)


Texturas

Se não bastasse as inúmeras cores, complementadas pelos tipos, mesmo que seja uma pedra, há opções de texturas, veja as opções:
-Suede/fosco: superfície com toque suave e agrádavel graças a uniformidade da cor
– Polido: A textura mais comum. Intensifica as cores com o seu brilho em sua mais pura forma, brancos, reflexos e até cores negras.
– Volcano/rugoso: com rugosidades, a textura é rústica, mas ao mesmo tempo suave.


Tipo de textura de revestimento para apartamento Silestone. Foto: Marmoraria Villela)


Mas o que é Quartzo?

Chegou até aqui e não sabe o que é Quartzo? É importante saber para descobrir o quão interessante e elegante utilizar a Silestone como revestimento do seu novo apartamento.
O Quartzo é um tipo de forma cristalina formada a partir do composto dióxido de silício cristalizado (SiO2), que também é responsável criação do topázio e amestista. Além de produzir vidro, pedra, cimento e areia.
É o segundo mineral mais abundante do planeta, chegando a ser considerado uma pedra semi-preciosa. Em várias formas, sempre vem em cor branca ou transparente. A variedade de cores que vão surgindo são resultados de reações químicas quando misturado o sílicio a outros compostos.
Devido as suas propriedades físicas, é utilizada na construção civil, em computadores, fibra ótica e artigos de eletrônica. E também como utensílios, por joalheiros e na industria química, como por exemplo no esmalte.

 Benefícios do Silestone

Além de ser derivado de uma pedra semi-preciosa que já traz beleza e elegância, possui alta durabilidade e com os cuidados devidos, pode te acompanhar uma vida inteira. Com a resistência do Silestone a probabilidade de riscos e manchas é quase zero. Isso inclui também a baixa abrsorção de líquidos por não ser poroso.
Contudo, não precisa ser impermeabilizada como outras pedras e a limpeza pode ser feito apenas com um pano seco ou com detergente em casos mais necessários. Sendo ainda uma via de mão dupla: serve tanto como revestimento para apartamento como decoração. O interessante é que se adapta em qualquer ambiente.

Onde usar

Na cozinha é possível criar bancadas, revestir paredes, como balcão de pia e até utilizar como azulejo que ainda exige uma quantidade bem menor de rejunte, do que o comum. Mas cuidados devem ser tomados, o Silestone não é resistente a calor excessivos, então panelas quentes devem ser postas com apoio na bancada.
No banheiro é bem comum acompanhar as cubas e é até indicado nesses casos já que não absorve liquídos e mantém sua durabilidade. Ou como pisos, ora em cores vivas para destacar o ambiente, ora em cores nobres para harmonizar.
A área de lazer como terraços e varandas gourmet são as que mais tem sido alvo do revestimento para apartamento. Pela beleza do material e a alta resistência, é a alternativa para quem quer deixar o ambiente bacana sem prejuízos posteriores.
Utilização do Silestone liso para destacar um ambiente. (Foto Casa&Construção)


Diferença do granito

Por esse revestimento para apartamento ser alto durável, não precisa de manutenções. Diferente do granito que por ser apenas uma rocha em seu estado natural polida, pode ser facilmente riscada. Sua manutenção deve ser a cada uso, somente com aguá morna e sabão.
Além de não possuir as vantagens decorativas do Silestone. Não possui uma gama de cores e nem possibilidade do uso em projetos 3D. E vale lembrar que o Silestone é 4 vezes mais resistente que o granito o que faz com que a pedra seja menos resistênte e absorva mais liquidos durando por menos tempo.

Diferença do mármore

Essa matéria é a mais delicada. Possui resistência baixa, sendo mais “mole” do ques as outras. Isso siginifica que além da ocorrência de manchas, riscos e absorção de líquidos, é possível se quebrar. Outra diferença é que se quebrar, quando ocorrer a imenda, ela ficará visível. O que não acontece com o Silestone.
O valor, claro, é bem mais em conta do que po Silestone. No entanto não possui uma vasta gama de cores e a além da manuntençao diária, precisa ser impermeabilizada pelo menos duas vezes por ano. Seu tempo de vida é razoavelmente curto em relação ao granito por exemplo.

Média do custo

A qualidade do material é realmente indiscutível. Então consequentemente o valor será mais caro do que revestimentos com qualidade inferior. No entanto a durabilidade deve ser levada em conta: o Silestone chega a durar 25 anos.
Enquanto o granito tem uma média de vida de 7 anos e o mármore sendo mais mole, por apenas 5 anos. O que leva a crer que investir no Silestone como revestimento para apartamento, mesmo sendo mais caro, será bem mais vantajoso futuramente.
Falando em números, o m² do Quartzo Stone custa em torno de R$1400 a R$2000. E há variações de até R$100 a mais para o tipo liso que é mais caro que o Stellar.

Escolha

Por fim, revestir o seu apartamento também é uma decisão importante. Assim como a decoração. Mas tudo vai depender de quais opções está em prioridade no momento em que for fazer os reajustes. Nesse caso, vislumbre algumas decorações com Silestone e escolha o melhor revestimento para apartamento:

segunda-feira, 16 de abril de 2018

Investidor que vive de fundos imobiliários explica o que realmente gera alta nos preços dos imóveis




SÃO PAULO – A oferta de financiamento imobiliário é um dos fatores que possibilitaram a enorme valorização deste mercado no Brasil, mas é “balela” auferir que apenas o financiamento deixa os imóveis caros. A análise é de André Bacci, investidor cuja renda para sobreviver provém de Fundos Imobiliários e autor do livro Introdução aos Fundos de Investimento Imobiliário.
Após análise histórica dos preços do mercado imobiliário brasileiro, Bacci descobriu alguns fatores que contribuíram muito para a alta dos preços, não apenas durante a euforia iniciada em 2008. Entre eles, destaca a moeda brasileira e, principalmente, a complexidade do ambiente urbano. “Imóveis são caros porque moramos uns perto dos outros”, diz.
O investidor foi convidado do programa Fundos Imobiliários, apresentado pelo professor do InfoMoney Educação Arthur Vieira de Moraes todas as sextas-feiras, às 15h40, no InfoMoneyTV. Confira a entrevista no Info Money.
Fonte: Info Money

quarta-feira, 4 de abril de 2018

Morar e trabalhar em Alphaville: vantagem em dobro




É impossível pensar em Barueri e não se lembrar do centro comercial. Como seria bom morar e trabalhar em Alphaville! Mas será que é possível mesmo viver em um bairro empresarial?

Nobreza comercial

Alphaville é o polo comercial e empresarial mais bem visto de todo o Brasil. Com 500 hectares, o que antes era uma fazenda, hoje é um dos bairros mais nobres da região. Em uma área com pouco mais de 112.00m², fica localizado na cidade de Barueri.
O centro comercial possui cerca de 1184 estabelecimentos de 156 segmentos diferentes, em aproximadamente 890 prédios com segurança 24h. E recebe uma população flutuante de 200 mil visitantes por dia e 75 mil das que moram e trabalham em Alphaville.
O comércio centralizou a economia da cidade com a arrecadação de impostos dos serviços prestados. E é desses valores, que sai o investimento pesado em educação, cultura e segurança.  O que torna excelente a ideia de morar e trabalhar em Alphaville.

Bela, Recatada e do lar

Morar e trabalhar em Alphaville foi uma proposta para a implantação do bairro. Já era premeditado que os executivos da área também pudessem habitar próximo ao trabalho, sem as atribulações da cidade grande.
Assim, em 1975 surge o AlphaVille, o primeiro modelo do que seria uma habitação ordenada. Até que se descobriu que era mais rentável a venda de residenciais do que empresarial. E à urbanização deslanchou. Morar e trabalhar em Alphaville virou desejo de consumo.
Além dos residenciais, que são representados por seus números, os prédios também ganharam vez. A urbanização vertical caracteriza a vida comercial em torno das avenidas.
E por isso, Alphaville é confundida facilmente com uma mini cidade, apesar de ser apenas um bairro de Barueri. Sua estrutura é voltada ao médio e alto padrão e quem passeia por suas alamedas se encanta com os arranha-céus, ora empresariais, ora residenciais.

Conceito de moradia

Na hora de comprar um imóvel, é comum comparar preços com bairros nobres de São Paulo como Jardins e Itaim Bibi. O preço médio do m² para morar em Alphaville é 40% mais barato que na Capital. Custam em média R$ 12.000 a 14.000 em bairro como Jardins e Itam Bibi.
E é aqui que descobrimos por que morar em Alphaville é um privilégio e sonho de muitos. Primeiro por que está mais em conta. E mesmo assim a valorização é exatamente igual ou maior do que outros bairros bem desenvolvidos.
Segundo pela qualidade de vida com altos índices. São mais de 47 calçadas arborizadas, 24 praças, compostas por lagos e cascatas espalhadas pelo complexo. Sem contar na preservação ambiental de cada condomínio residencial.
Tudo isso, tornando o ambiente urbano, menos poluído, com menor índice de radiação solar, e deixando o clima mais agradável. Estilo cidades do interior.
O design moderno também não deixa a desejar. Avenidas largas para facilitar o percurso e empreendimentos bem dispostos para atender as necessidades dos moradores. Não é preciso ir muito longe, encontrará tudo o que quiser se morar e trabalhar em Alphaville!
As casas em condomínios de Alphaville não são sonhos de consumo apenas dos meros mortais. Famosos como Luan Santana, Wanessa, Fábio Júnior e Rodrigo Faro também podem ser seus vizinhos.
Além, dos estrangeiros que enriquecem a cultura local. Fator que contribui também para a qualidade do ensino escolar e universitário presente em Alphaville.

Great Place Work

Trabalhar em Alphaville não podia ser diferente: é coisa de outro mundo. As melhores empresas e indústrias estão por lá.
Risqué, Mercado Livre, HP, Alelo, Azul, Rede e Walmart, são apenas algumas das grandes. E há espaço para todos os cargos possíveis e possibilidade de crescimento profissional.
A mobilidade também é facilitada. Há ônibus que vem e vai para toda a região. Algumas instituições ainda oferecem fretados, para dar mais conforto aos colaboradores. E Alphaville está rente a Rodovia Castello Branco e menos de 10 minutos do Rodoanel. Ô beleza.
E na hora do almoço, opções para renovar as energias não faltam. O centro comercial é repleto da melhor gastronomia – até para alérgicos e veganos.
Se quiser aproveitar o tempo há dois shoppings, escolas de idiomas, academias, lojas de roupas, farmácias, mercados e outros comércios que facilitam o dia a dia.

Dos males o menor

Para transitar por São Paulo é preciso paciência e tempo. Qualquer percurso de 30 minutos, vira 2 ou 3 horas. Se chover, aumenta mais 2 horas na conta. Essa é uma das muitas vantagens de morar e trabalhar em Alphaville.
Ah!  Mas Alphaville também tem trânsito… Trânsito rápido e controlado. É absolutamente possível dizer quando e quais avenidas estarão movimentadas. E, seu percurso aumenta apenas meia hora e não quatro como na capital.
E há rotas alternativas. O que contribui para que o trânsito se dissipe de forma mais rápida. Além das inúmeras obras de mobilidade urbana, para tornar o horário de pico cada vez mais tranquilo.

Morar e trabalhar em Alphaville, é uma boa ideia!

Então vamos lá:
1 – Tem cara de cidade grande, conceito de cidade grande, vida de cidade grande, é uma mini cidade grande, mas… Aos finais de semana, a sensação é de morar em uma cidade do interior. A tranquilidade, o silêncio e a brisa, permeiam o bairro.
2 – Tem tudo! Pra criança, para a vovó, para o pet, para o jovem, para mim e para você.
3 – Casas lindas, apartamentos incríveis! E, com valor bem bacana. Ou seja, é possível morar em um bairro e comprar um imóvel sem gastar uma fortuna.
4 – Sustentabilidade está na moda e todo mundo quer seguir a moda. O bairro é extremamente limpo, bem arborizado e quem compra um apartamento garante a melhor vista da região.
5- Mais seguro impossível. Toda hora a viatura do condomínio passa na sua rua. E no seu apê, tem portaria, só entra quem você permitir. E Alphaville é repleta de câmeras. “O bairro mais vigiado do Brasil”
6- Vai fugir do trânsito. Morar e trabalhar em Alphaville quer dizer que em poucas alamedas estará em casa. Seria mais um sonho se realizando!
7 – Com tudo isso, ainda quer mais?